Seja bem-vindo(a) ao meu lar.


Mujer
26/09/2009, 22:21
Filed under: Letras

cigarro

Sutileza para entender tamanho imbróglio
Me afogo na parte que de mim cede
E se é de tempo que preciso nada procede
E prossegue enquanto regrido
Na falta do beijo me agrido
E faço zunido nos ouvidos
De quem em mim percorre
Quase me mata quando me encolhe
Sem saber enfeita com fel o que anseio degustar
Transforma em labuta assistir a um simples sorriso
Da boca em que, sem aviso, quero repousar
Um só cigarro é pouco por vez
Com um doce perfume talvez
Como um engodo certamente é
Essa mulher, esta mujer



Nosso Lar
19/09/2009, 17:07
Filed under: Letras

A corner in an abandoned asylum in Pistoia, Tuscany.

É você que anuncia a chegada do sol
parece ser real, é o que parece
Abri as janelas para que entre sem alarmar
Seja o meu sol, meu par
Seja bem-vinda ao meu lar
É fácil perceber o que me falta, ajuda
Pois só não sou nada
Não só sou nada como também só
Ilumina o meu lar
Faça dele o seu

Veja então aquela bíblia largada no chão
não é ato de rebeldia, é só o descuido
da fé que tive um dia
Mas isso já está sendo arrumado
o que me incomoda agora é essa sala vazia
Quero crianças brincado e gritando
Você bem que podia me ajudar
fazendo em mim o seu lar
Pois só não sou nada
Não só sou nada como também só
Ilumina o meu lar
Faça dele o seu




Ruído
18/09/2009, 21:46
Filed under: Letras

Estão fazendo vigília pra todos os santos
Tanta corrente de oração
Fazendo frente à paz armada desse mundo cão
Vira-lata, que vira a pata na cara do bom e velho amor
Exaltam o tom de voz e se esquecem
que a verdade se embrenha entre nós
Silenciosamente nos machuca, dói
Tanto barulho por nada
Muito barulho pra nada
Só mais um pouco de paz
Eu ouvira minha voz
Eu sentiria o meu corpo
Eu me vestiria de luto pra enterrar
tanta magoa, tanto desgosto
Eu vejo cara de fome de vontade
Eu vejo falta de vontade de acabar com a fome
Eu vejo a fome acabando com o homem
Eu vejo o homem se acostumando com a fome



Vergonha na Cara
04/09/2009, 20:25
Filed under: Geral

Eu não gosto da face santa
não gosto dos bons modos
Eu gosto da face que se bate
Sexo com a sua integridade
Animalidade
Gosto de amor com brutalidade
e carinho com libertinagem
Eu não gosto de beijo sem intenção
gosto de beijar com o corpo
Mãos
Gosto da criatividade lascívia
Gosto da falta de vergonha na cara
Gosto da fala mansa que me cala
Gosto do gemido tremido e falhado
Inebriante
Não gosto de saber a hora de parar
gosto de abusar e usar
Gosto de ser usado e maltratado
Gosto da respiração cansada
Exaustão
Gosto do suspiro e arrepio
Gosto da pele marcada com unhas e dentes
Gosto de saber ser indecente
Gosto de arrancar a inocência
Indecência
Eu não gosto do orgasmo fingido
Gosto de não correr esse risco.